domingo, 18 de abril de 2010

PLACEEEEEEBO!!!!!

Brian, vocalista do Placebo
Acabo de chegar em casa do show do Placebo no Credicard Hall!
Foi bom demais!!!
Shows do Placebo sempre me deixam querendo mais!!!

A foto aí de cima não foi de hoje, infelizmente. É uma foto de divulgação que encontrei por aí, mas é mais ou menos o visual do Brian hoje.

Vou contar como foi mais ou menos na ordem...

Desta vez eu não fui cedo pra fila, desencanei de tentar um lugar bom.
Em 2007 fui pra fila às 15hs, mas quase morri esmagada na muvuca a hora que começou o show e acabei assistindo, de boa, lá de trás.
Parece que hoje não teve tanta confusão... não sei como tava a pista vip (eu fui de pista de pobre mesmo), mas no show de 2007 mesmo de longe dava pra ver a aglomeração se empurrando, em ondas, hora para a esquerda, hora para a direita.

Cheguei lá oito e pouco, o portão abriu 8h30, fiquei num lugar bom, dancei e pulei até parecer que meu estômago ia pular para fora da minha barriga e cantei e gritei muuuitooo!

A banda de abertura, Superdose, começou às 21hs. Ela é razoavelzinha... na verdade, acho que seria muito boa se fosse só instrumental... quando o vocalista começa a cantar, estraga as músicas.
O cara que me desculpe, mas é minha opinião.
De qualquer modo foi bem melhor que a de 2007, como chamava mesmo?

O Placebo entrou pontualmente, dez horas.
Abriu com For What it's Worth. Achei uma ótima música para começar!
Seguiu com Ashtray Heart, que também animou bastante a galera.
Depois veio Battle for the Sun.

Em seguida, Soulmates Never Die (impressão minha ou da outra vez que eles estiveram por aqui, nesta música, passou o mesmo videozinho atrás da moça indiana?)

Então o Brian comentou a respeito dos canais religiosos que temos aqui (um canal, na verdade... mal sabe ele quantos são!) e falou de quando era jovem e sua mãe religiosa o levava para a igreja, onde pessoas diziam ser "possuídas por Jesus" e falavam línguas estranhas... e começou Speak in Tongues.

Em seguida, Follow the Cops Back Home.

A música seguinte foi a tão querida do público brasileiro Every You, Every Me. Sempre que tocam essa música o povo se empolga muuuitooo! Imagino que muitos tenham conhecido a banda, assim como eu, com essa música... na trilha sonora do filme Segundas Intenções. Eu comprei o CD do filme por causa dessa música! Lá nos meus... 14 anos? Nem sei!

A música seguinte foi outra muito querida do público daqui, Special Needs. Eu gosto dessa música, mas não sou tããão fã assim. Mas foi em boa hora, a música é um pouquinho mais tranqüila e deu pra recuperar um pouco as energias.

Seguiu-se Breathe Underwater, e depois Julien. Também são músicas legais, e pulei e cantei e tal, mas não estão entre as minhas favoritas... A próxima foi The Never-Ending Why, idem.

A música seguinte foi Bright Lights. Esta, sim, junto com Battle for the Sun e For What it's Worth, está entre as que mais gosto do último álbum.

Em seguida, tocou Devil in the Details. Ótima para pular.

Daí começou o ponto alto, mesmo, do show! Foi um crescendo... começou com Meds, que o público cantou a plenos pulmões, foi demais. Depois veio Song to Say Goodbye, que também empolgou muito. E o ápice foi a fodástica Special K, que é sempre o ponto alto do show do Placebo aqui em Sampa, todo mundo pulando e cantando com os braços erguidos, eles até pararm a música para ouvir o público cantar. Eu não sabia se ia agüentar dançar e cantar até o final da música. Mas agüentei, e em seguida veio Bitter End, outra amada do público, muito bom ouvir todo mundo berrando ao mesmo tempo "see you at the bitter end!"

Só um parênteses...
Vocês sabem o que é Special K? Além de um cereal matinal, claro.
Bom, houve um tempo, antes de eu assistir Queer as Folk, em que eu não sabia. Lógico que eu entendia que devia ser uma droga qualquer, mas fui procurar na internet. Descobri que o troço é feito a partir de um anestésico de cavalo! Como a pessoa pode ser tão idiota a ponto de querer experimentar anestésico de cavalo para ver que efeito tem, eu não entendo.

Mas voltando ao show...
Depois de Bitter End teve um intervalinho, no qual foi exibido um vídeo de um transexual (acho) rodopiando ao som de uma musiquinha inocente com um tutu que tinha um... apêndice na frente, digamos. No começo o povo ficou quieto, mas depois de um minuto disso começou a ficar impaciente e bater palmas e gritar pelo Placebo, que finalmente voltou para o bis.

Primeiro eles tocaram uma música que eu não conhecia, chamada Trigger Happy ("put your hands in the air and wave them like you give a fuck"), abaixo está um vídeo dessa música gravado em outubro de 2009 na França.



Depois tocou Infra-Red, e para encerrar, Taste in Men. Adoro o clipe desta música... sempre rio quando o Stefan e o Steve entram no quarto!
Não achei para incorporar, mas dá pra assistir aqui.

Então eles agradeceram e saíram... e eu fiquei sem querer ir embora...
Quero mais!

Bom, eu adorei o show, adorei o setlist (se bem que eu acho que, tendo Special K, Every You, Every Me e Meds, eu tô feliz), mas lógico que sempre poderia melhorar... (será que um dia ainda vejo o Brian cantando Protège Moi?)
O Brian também não conversou muito... nem dançou com o Stefan... mas ele tava empolgado e com um bom corte de cabelo, e valeu!
Estou aguardando o próximo!

camiseta Placebo Saí de lá com uma camiseta oficial do show. Depois do tanto que eu suei, ia congelar do lado de fora com a blusa de alcinha que eu tava usando!

O texto não está nenhuma maravilha de erudição, mas acho que quem curte Placebo vai gostar...
Desculpem quaisquer errinhos de digitação. Tá muito tarde para revisão.

Aliás... falando em português correto, durante a gravação que fala as instruções de segurança do Credicard Hall, o cara usou mesóclise! "Luzes de emergência acender-se-ão automaticamente"! Taí uma coisa que não se ouve todo dia!


Beijos e boa noite!

2 comentários:

Jeff disse...

Digno!


Placebo nunca é o suficiente! O bis sempre é pedido!


*_*

yves disse...

Muito bem dito. Gostei muito. Quanto ao sonho com avião, bem, que seja apenas um sonho - e já passado!