quinta-feira, 2 de maio de 2013

Analista ambiental expulsa do RJ à bomba

Especulação imobiliária destrói o meio ambiente e ameaça vidas.

Uma bomba explodiu mês passado na casa de uma analista ambiental do ICM-Bio que trabalhava na região de Paraty (RJ).

Ela concedeu uma entrevista à Folha, na qual fala sobre a pressão da especulação imobiliária na região e das condições precárias de trabalho. Segundo ela, "o trabalho da APA é sabotado (“abandono institucional” foi a expressão usada) para favorecer a especuladores imobiliários e que os fiscais não contam sequer com um barco, mesmo sendo responsáveis pela fiscalização de 63 ilhas."

mansão da família Marinho é uma das construções irregulares em Paraty
A mansão da família Marinho é uma das muitas construções irregulares na região de Paraty...

A mansão utilizada nas filmagens da série Crepúsculo também é uma construção irregular de Paraty
...assim como a mansão utilizada nas filmagens da série Crepúsculo.

Segue a entrevista:

Entrevista com ambientalista do governo expulsa do Rio de Janeiro à bomba
30/04/13 - 07:05
por Andre Barcinski


Dia 9 de abril, uma bomba foi colocada na casa de uma analista ambiental do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). A explosão não teve feridos, mas danificou a casa da analista, que trabalha na Área de Proteção Ambiental Cairuçu, em Paraty, no sul fluminense. A Polícia Federal investiga o caso.

A APA Cairuçu é responsável pela preservação de 63 ilhas na Baía de Paraty e de 33 mil hectares (330 km2) de área continental, É a maior concentração de áreas remanescentes de Mata Atlântica da Serra do Mar.

Se os autores do atentado queriam assustar a ambientalista, conseguiram: depois de seis anos trabalhando na região de Paraty, ela acaba de pedir transferência para fora do Rio de Janeiro. “Tenho família e estou com medo.”

Não foi o primeiro caso de profissional que abandonou a Cairuçu: há dois anos, uma fiscal ambiental pediu transferência depois ter dois carros queimados, em 2008 e 2011, na porta de casa.

A vítima deste novo atentado concordou em falar à Folha. Só pediu para não ser identificada. Ela diz que o trabalho da APA é sabotado (“abandono institucional” foi a expressão usada) para favorecer a especuladores imobiliários e que os fiscais não contam sequer com um barco, mesmo sendo responsáveis pela fiscalização de 63 ilhas.


- Qual a sua função na APA Cairuçu?

- Sou analista ambiental. Meu trabalho é emitir pareceres. Eu não sou fiscal. Meus pareceres são usados para embasar o auto de infração feito pelo fiscal. Todos que trabalham na APA são analistas ambientais, mas alguns se capacitam e fazem um curso extra para virar fiscal. Esses fiscais são quem podem ir a campo e dar multas.


- E quantos fiscais trabalham na APA Cairuçu?

- Hoje temos um fiscal e cinco analistas.


- Um fiscal para 63 ilhas e 33 mil hectares? Não é pouco?

- Sim, e este fiscal é nosso chefe, que acumula o trabalho de fiscalização com o de chefia.


- Quando você chegou a Paraty para trabalhar na APA Cairuçu, quais foram suas primeiras impressões sobre o trabalho?

- Cheguei em 2007, quando ainda era Ibama. Fiquei surpresa. Não imaginava que, entre Rio e São Paulo, pudesse existir um escritório tão carente em todos os aspectos. Para você ter ideia, até o ano passado a gente não tinha nem limpeza nos banheiros. Temos uma área insular para fiscalizar e não temos barco. Quem banca o barco, e mesmo assim alugado, é o S.O.S. Mata Atlântica. Percebi que, ao longo dos anos, o abandono institucional do escritório fez com que muitas ocupações irregulares fossem surgindo na área. A sensação que dava era que seria interessante que a gente não funcionasse, para esses especuladores imobiliários poderem atuar.


- Quais os principais problemas que você verificou nesses seis anos?

- Aqui existe especulação imobiliária de luxo na costeira e nas ilhas. Tem privatização de praias, que também é promovida pela classe alta. Claro que temos conflitos ligados a classes sociais mais baixas, mas são conflitos menos impactantes. Geralmente é o morador das ilhas que não tem fossa e que joga esgoto nos córregos. Também é um problema, mas é bem mais fácil resolver.


- Você diria que os principais problemas são ligados a casas de luxo?

- Sim, os maiores conflitos são ligados a mansões de veraneio e ocupação irregular das ilhas. Claro que essa ocupação irregular interessa a vários grupos, desde os comerciantes locais que querem abrir negócios nas ilhas aos veranistas de luxo.


- E a privatização das praias, como ocorre?

- Há pouco tempo, fizemos uma operação para combater essas privatizações. Batizamos a operação de “Farofa 1”. Fomos às praias à paisana, mas fomos abordados até por seguranças armados. Também fomos filmados e fotografados, e acho que isso pode ter dado problema para mim também. Essa operação foi só na costeira. Íamos fazer a operação “Farofa 2”, que seria nas ilhas, mas agora não vou mais fazer, vou embora.


- Em que praias ocorreram essas abordagens de seguranças?

- No Saco do Mamanguá tem privatização de praia. E na costeira de Paraty também. Lá os seguranças nos filmaram e fotografaram. E ali já teve ação judicial para tirar estruturas particulares deles. Já fizemos relatório e mandamos para o Ministério Público. A mansão tem uma piscina na areia da praia e seguranças armados. Eles abordam quem chega à praia.


- Qual seria a intenção de quem mandou colocar uma bomba na sua casa?

- Na região de Paraty existe uma intenção de alterar o decreto da APA que protege as ilhas. Esse decreto é de 1983. Existe um movimento, que tem apoio de alguns vereadores e políticos locais, para flexibilizar esse decreto, anistiar quem fez coisas erradas e permitir a especulação imobiliária nas ilhas. Esse movimento é ligado a grandes especuladores e a grupos ligados aos veranistas de luxo.


- Você acredita que esse movimento pode conseguir mudar a lei?

- Não sei, mas tenho certeza que esses conflitos não estão resolvidos e vão dar muito o que falar.


- Como foi a decisão de pedir transferência de Paraty?

- Eu vim morar em Paraty para estar perto da natureza e ajudar a protegê-la e para viver sossegada, mas estou vendo que nem a natureza está sendo protegida e nem eu estou vivendo em paz. Tenho família e não dá para trabalhar aqui com meio ambiente. Essas pessoas realmente querem um lugar sem lei entre Rio e São Paulo, que elas possam privatizar e usar como quiserem. E conseguiram.


P.S.: Há pouco mais de um um ano, chamei a atenção para uma reportagem da revista norte-americana “Bloomberg Markets” que trazia fotos e mais informações sobre as mansões construídas irregularmente em áreas de preservação. Você pode ler meu texto aqui.
*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*

segunda-feira, 29 de abril de 2013

Homens feministas protestam no curdistão

Há cerca de duas semanas, a corte local da cidade de Marivane, no Irã, decidiu punir criminosos obrigando-os a sair nas ruas vestindo trajes tradicionais das mulheres curdas.

Um grupo de mulheres de Marivane protestou contra a pena duplamente preconceituosa - contra mulheres e contra a cultura curda -, e foi confrontado violentamente pela polícia.

Ativista curdo Masoud Fathi vestindo trajes femininos
Para expressar seu apoio às ativistas, o jornalista curdo Masoud Fathi postou uma foto sua no Facebook usando um vestido verde tradicional, com a frase "Ser mulher não é uma forma de humilhar ou de punir ninguém".

Alguns amigos começaram a seguir o seu exemplo, e assim foi criada a página Kurd Men For Equality ("Homens Curdos Pela Igualdade"), que já tem mais de 12.000 "curtidas" e fotos de centenas de pessoas.

Sasan Amjadi, um dos curdos que participaram do projeto, afirma: "eu não senti nenhum estranhamento ao vestir um traje feminino. Eu só queria demonstrar quem nós somos: é assim que nós somos, esta é a nossa cultura e eles não podem insultar nossa cultura, nossas mães e irmãs. Não podemos aceitar isso. Não pode haver sociedade livre sem mulheres livres."

Homens de outros países também se identificaram com o projeto e contribuíram usando roupas femininas para desafiar o preconceito de gênero e a cultura machista que geram problemas como violência doméstica, estupro e homofobia. A frase de Masoud tornou-se o slogan de uma campanha internacional.

Campanha Homens Curdos pela Igualdade, no Facebook

Descobri este projeto hoje e fiquei feliz. Ver pessoas reconhecendo suas posições privilegiadas e se colocando no lugar dos outros é uma coisa linda. Ajuda a restaurar um pouco a fé na humanidade, sabem? Acho uma atitude fantástica.

Você pode apoiar esta campanha curtindo a página no Facebook ou enviando sua própria foto.

feminista curdo usando um vestido             feminista curdo usando um vestido
   feminista curdo usando um vestido          feminista curdo usando um vestido

feminista curdo usando um vestido feminista curdo usando um vestido
      feminista curdo usando um vestido    feminista curdo usando um vestido
    feminista curdo usando um vestido    feminista curdo usando um vestido

      feminista curdo usando um vestido        feminista curdo usando um vestido

segunda-feira, 8 de abril de 2013

Ajude a salvar macacos-prego no Peru

A Neotropical Primate Conservation está pedindo doações para construir um refúgio para macacos-prego e caiararas resgatados no Peru.

macaco-prego resgatado no Peru - foto da Neotropical Primate Conservation

Segundo a entidade, nenhum local no Peru aceita receber esses animais, o que significa que as autoridades ou fazem vista grossa para os indivíduos que foram retirados da natureza e são mantidos por anos em condições precárias - como o macaco-prego da foto acima -, ou confiscam o animal e matam-no imediatamente.

Você pode ajudar a salvá-los através do link http://www.neoprimate.org/

campanha da Neotropical Primate Conservation para arrecadar fundos para salvar macacos-prego no Peru

sábado, 6 de abril de 2013

Pela saída do ruralista Blairo Maggi da Presidência da Comissão de Meio Ambiente do Senado

As raposas estão dominando os galinheiros!
Não podemos permitir!


Parece piada de mau gosto...
Além do racista e homofóbico deputado Marco Feliciano (PSC-SP) na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da câmara, também temos o ruralista Blairo Maggi (PR-MT), ganhador do prêmio Motosserra de Ouro do Greenpeace, na presidência da Comissão de Meio Ambiente (CMA) do Senado.

ruralista Blairo Maggi é o novo presidente da Comissão de Meio Ambiente do Senado

Maggi, grande produtor de soja, foi governador do Mato Grosso durante sete anos, até deixar o cargo em 2010 para se candidatar ao Senado, e seu mandato foi repleto de escândalos (mais informações na reportagem O fim da era Maggi, de Andreia Fanzeres).

Um abaixo-assinado está sendo divulgado, pedindo a renúncia de Maggi da presidência da CMA.
Clique aqui e ajude a demonstrar que os brasileiros não querem desmatadores tomando conta do nosso meio ambiente!

Mais informações:
Comissões de Direitos Humanos e de Meio Ambiente do Congresso são tomadas por seus inimigos
O silêncio da sociedade sobre Blairo Maggi na Comissão de Meio Ambiente do Senado
O fim da era Maggi

segunda-feira, 1 de abril de 2013

O dia que durou 21 anos

Ditadura Nunca Mais! Para que não se esqueça, para que nunca mais aconteça!
Nunca mais!

Conheça a sua história!
Veja na íntegra um ótimo documentário sobre o regime militar:

O Dia que Durou 21 anos Parte 1


O Dia que Durou 21 anos Parte 2


O Dia que Durou 21 anos Parte 3 Final