sábado, 23 de outubro de 2010

Contagem: 4

Mostra Internacional de Cinema de São Paulo

Hoje assisti a três filmes: o alemão "Transfer", a animação francesa "O Mágico" e o documentário brasileiro/inglês "Lixo Extraordinário".
Adorei os três! O saldo está sendo ótimo este ano!

"Transfer" é uma ficção científica de fundo filosófico... sem deixar ainda de se basear no abismo que separa ricos europeus e africanos miseráveis.
Na história, um casal alemão idoso, através de um tecnologia de transferência de personalidade, "aluga" os corpos de dois jovens africanos, para que possam voltar a aproveitar a vida.
O filme é muito bem-feito e interessante, e tem boas atuações. Também achei os personagens bem criados: ninguém é completamente mau ou bonzinho.

"O Mágico", eu fui ver porque meu pai estava aguardado este filme há meses. Tive uma surpresa muito boa: a históra (de Jacques Tatit) se passa na minha adorada Edimburgo!
E o desenho das paisagens é lindo, lindo. Me senti lá! Foi muito bom!
A história é bonita, mas talvez um tanto lenta... não é o forte desse filme (me desculpe quem é fã de Tatit!).

Cartaz do folme Lixo Extraordinário"Lixo Extraordinário" também foi uma ótima surpresa!

Trata-se de um documentário sobre o trabalho do artista plástico Vik Muniz com catadores de material reciclável no aterro de lixo Jardim Gramacho, no Rio de Janeiro (o maior aterro sanitário do mundo!).

O trabalho de Muniz é extraordinário.
As pessoas que o filme mostra são extraordinárias.

É um filme muito bom, que rende bastante discussão depois.

trabalho de Vik Muniz no filme Lixo ExtraordinárioApesar de não mostrar muito a vida daquelas pessoas, já dá pra entender muita coisa sobre elas, e sobre suas escolhas. Por exemplo, Irmã, a senhora que cozinha para os catadores, impressiona sempre que está em cena. E, ao meu ver, sua relação com o aterro é diferente - menos negativa - do que a das outras pessoas porque ela sente que está ajudando os outros em seu trabalho lá, sente um reconhecimento, que os catadores não têm.
Também marcantes são os catadores Zumbi - que recolhe livros do meio do lixo e sonhava construir uma biblioteca - e o presidente da associação dos catadores, Tião - com uma compreensão da obra de Nietzsche e Maquiavel melhor do que a da maioria dos universitários.

Eu só não achei o filme "excelente" porque achei que ele cai um pouco quando os catadores não estão em cena (os primeiros 20 minutos foram meio chatos - na minha opinião; meu pai não achou), quando Muniz e as outras pessoas conversam em inglês e parecem pouco naturais. Também porque ele me passou um pouco a impressão de que o Vik Muniz é um cara meio arrogante, meio chato - mas talvez ele não seja assim, a culpa seja da montagem do filme (muito influenciada pelos produtores ingleses)... E também porque a trilha sonora incomoda um pouco em alguns momentos.
Mas com certeza recomendo! Porque é um trabalho que teve um impacto na vida das pessoas que são retratadas e que tem um impacto em nós, também.

Em um dado momento do filme, Muniz comenta sobre o problema do preconceito de classe que há no Brasil, de pessoas mais ricas ou mais instruídas se acharem melhores do que as outras. No final da sessão, o diretor (João Jardim) esteve presente para responder questões do público, e um outro documentarista criticou-o por não aprofundar este tema. Eu achei que o filme discute este tema da melhor forma possível: sem discuti-lo, simplesmente deixando que o público perceba talvez algumas de suas próprias imagens pré-concebidas em conflito com o que vê em cena, à medida em que conhece um pouco melhor aquelas pessoas.
(porque só conhecendo o "diferente", e percebendo que ele não é tão diferente assim, é que se pode quebrar preconceitos)

Também fica, para quem assiste o filme, uma outra deixa para reflexão: sobre a quantidade de lixo que produzimos, e para onde ele vai depois que você o descarta.
Pode ser o seu lixo que está ali!

Pois é... um filme em relação ao qual eu não tinha muitas expectativas, mas que afetou um pouco a minha visão de mundo!
Essa é a maravilha da Mostra de Cinema!
(eu devia ser paga pra fazer propaganda, não acham?)

PS: é interessante a entrevista com o Sebastião Carlos dos Santos, o presidente da associação de catadores, no site Adoro Cinema.
Ele é o sujeito retratado no cartaz do filme, ali acima.

Um comentário:

Enigma disse...

olá!
escrevi um post sobre "lixo extraordinário" e queria ler o q outras pessoas acharam dele.
acabei caindo no seu blog, q achei mto bom!!!
um abraço,
jú m.